Login Form

Newsletter Module

Top Panel
terça, 24 outubro 2017

Galeria Fotográfica da Corrida de Toiros por ocasião das ...
Mais
Prev Next

Igreja de S. Brás

 

Quando foi construída no século XIV, a igreja de S. Brás pertencia aos hospitalários de S. João de Acre, passando mais tarde, como capela curada, para a ordem de Avis, cuja comenda estava, no ano de 1534, anexada á matriz de Mourão.

Este templo primitivo gótico viria a ser totalmente refeito nos finais do Século XVI, por ordem de D. Teotónio de Bragança. No início do século XVII, altura em que ficou concluído, foi construído o altar da Nossa Senhora das Neves e os Portais da Igreja. Estes últimos são obra do mestre canteiro estremocense Pedro Alvarez Moniz. No século XVIII, o interior foi enriquecido com os frescos da capela-mor e com altares de talha policroma.

Na década de 60 sofreu importantes reparações, conservando hoje os seus traços arquitectónicos. Túlio Espanca, numa das suas inúmeras obras, alude á “majestade na distribuição das cinco capelas que a compõem, iluminadas em doce colaboração de pinturas murais seiscentistas”.

Nas fachadas axial e lateral é possível distinguir, apesar de ligeiras alterações, a traça barroca filipina e clássica. Na parte norte existe uma janela gradeada que ilumina o acesso á torre, na fracção este foi colocada uma porta com seis degraus semicirculares em cimento e na sul um portal em mármore de cornija muito saliente.

A sua frontaria, orientada ao pôr-do-sol, é flanqueada por robustas pilastras, alteando-se do seu lado norte, a torre sineira quadrada, guarnecida de pináculos flamejantes.

Um janelão simples e um pórtico inserem-se num frontão triangular com cruz, também em mármore, ladeado por colunas dóricas e por uma parede lateral, onde sobressai um Escudo da Casa Bragança, colocado abaixo de uma cruz da ordem de Avis. No lado norte da frontaria ergue-se uma torre quadrada com quatro olhais, de remate piramidal, onde estão instalados três sinos fundidos.

O interior, muito bem iluminado, tem uma nave de planta rectangular com cinco tramos reforçados por pilastras de alvenaria caiada. O altar de Santo António, único no templo, eleva-se em frente ao púlpito, em madeira entalhada sobre repisa de mármore. Neste espaço único podem encontrar-se na cabeceira, cinco capelas, sendo a capela-mor de planta rectangular, e tecto de meio canhão coberto por frescos, o seu mais digno exemplar.

Dois retábulos, um no altar-mor e um retábulo filipino alusivo ás almas do purgatório, marcam presença neste templo cristão. O baptistério, com abertura interior em abóbada, é todo pavimentado em lajeado de xisto com sepulturas anepigrafadas.

Uma taça circular de mármore, com base de balaústre quadrado, ocupa o centro deste espaço religioso.

Pintura no Interior

Classifique este item
(1 Vote)