Login Form

Newsletter Module

Top Panel
quinta, 21 setembro 2017

A Tradicional corrida de toiros por ocasião das festas em Honra de ...
Mais
Realiza-se no próximo dia 2 de Setembro de 2017, a partir das 18 ...
Mais
Consulte aqui o programa das festas em Honra de Nª. Srª. da Luz ...
Mais
Cartel Oficial da Corrida de Toiros por Ocasião das Festas em Honra ...
Mais
Programa das Festas em Honra de S. Sebastião 2017. Dias 15 - 16 - ...
Mais
Consulte Aqui o sorteio para a caça de Rolas, Pombos e Patos
Mais
Prev Next
Hugo Galhofas

Hugo Galhofas

Os trabalhos da Srª. Maria João são baseados em diversos materiasis tais como: Gesso, Marfinites, Flores Secas, Barro, Vergas, Ráfias Frutos Secos e Madeiras.

Foi autodidacta na sua aprendizagem.

Para adquirir os seus produtos contactar a própria.

Contacto:

Maria Palmira Manso Alves Bação

Rua Direita

Granja 7240-012

Telef.: 210 805 066

Telem.: 961 609 633

 

Os trabalhos da Srª. Maria João são baseados em pinturas quer de tecidos, quer em madeira, produz também várias peças de bijuteria.

Foi autodidacta na sua aprendizagem, quer por pesquisas na internet quer em revistas, contou ainda com o apoio de uma senhora que a ensinou a pintar em tecido.

As suas peças são essencialmente feitas em madeira, massa de modelar, tecidos, missangas, guardanapos, etc.

Para adquirir os seus produtos contactar a própria.

Contacto:

Maria João Branco

Rua da Corredoura, 45

Granja 7240-012

Telef.: 962 306 923

 

O Sr. Manuel tem uma arte especial de trabalhar a madeira, trabalhando-a e dando-lhe as formas que ele pretende.

Os seus trabalhos são baseados em figuras do "antigamente", como vemos nos diversos carros por si construidos.

Aprendeu a sua arte sozinho, recorrendo á sua fértil imaginação.

Os seus produtos podem ser adquiridos, bastando para tal contactar o mesmo.

Manuel Vitor Neves Lavado

Rua do Telheiro, 10 A

Granja 7240-012

Telef.: 961 830 515

A Srª Lidia é uma artesã com um vasto leque de Produtos/Técnicas, pois produz peças recorrendo à utilização de diversos materiais.

A sua imaginação vai desde a pintura em vidro até a produtos feitos em papel.

Ainda teve algumas aulas de pintura, mas recorre normalmente á sua imaginação.

Esta artesã não vende os seus produtos, pois são feitos essencialmente para passar o tempo.

Nascido a 20 de Setembro de 1931, conhecido entre os amigos e a polulação da Granja em geral pelo Sr. Zé da Moca, adquiriu o gosto pela arte de construir cadeiras de madeira com assento em buinho, através de seu sogro, uma arte a que dedica várias horas do seu tempo.

Todo o processo artesanal passa pelas mãos deste Artesão, desde a recolha do buinho (Utilizado para o assento) até a própria transformação da madeira (Estrutura da cadeira).

Para adquirir os produtos contactar o próprio

José do Carmo Ricardo "Zé da Moca"

Rua Pedro Piteira, 37

Granja 7240-012

Telef.: 266 577 319

 

 

O artesanato é uma das muitas manifestações de arte existentes, permitindo a valorização e promoção da cultura tradicional de um País. Por meio de objectos genuínos podemos reencontrar a autenticidade das tradições portuguesas.

Na Granja, tal como na maioria das zonas alentejanas, a actividade artesanal tem vindo, ao longo dos tempos, a perder-se ou descaracterizar-se.

Resistindo apenas os mais dedicados artesãos, representados na Granja, entre outros, resistem ainda os fabricantes de cadeiras de buinho, cestos e esteiras, rendas e bordados, artigos em cerâmica e peles e curtumes.

A comercialização destes produtos é feita através de venda directa ao cliente.

   
 José do Carmo Ricardo
Cadeiras
 Lidia Maria Lucas Correia
Pinturas
Manuel Vitor Neves Lavado
Trabalhos em Madeira
     
Maria João Branco
Pintura em Tecido/Madeira
Maria Palmira Manso Alves Bação
Gessos / Arranjos Florais / Marfinites
Mariana Pica Correia
Flores de Massa / Arranjos
     
Maria São João Casimiro Pires
Pintura
Joaquim Bonito Valadas
Artigos em Pele
Francisca Nunes
Pinturas

nature

Publicado em Textos 0

As terras do grande lago de alqueva são o testemunho vivo de uma profunda transformação territorial. Outrora sedentas de água elas vivem hoje rodeadas de um azul profundo.

Terras antes sofridas, habitadas por gentes enrugadas ao sol. Gentes hoje firmes na lembrança do que foi, mas amadurecendo o fruto de um sonho real pleno de possibilidades. Com a mesma persistência em esperança renovada.

A barragem de Alqueva oferecem ao visitante sensações únicas. Na calma serena de uma nova paisagem alagada de vida.

Nas terras do Grande Lago a vida renasce.

venha Senti-la.

Turismo Taurino

A herdade da Galeana, situada no concelho de Mourão, freguesia da Granja, encontra-se numa região denominada margem esquerda do rio Guadiana; esta região é, provavelmente, das mais preservadas de Portugal e oferece aos seua visitantes inúmeros locais de interesse turístico.

Em toda esta região, chamada Alentejo profundo, se pode desfrutar de pequenas aldeias brancas que souberam manter a traça original e oferecem, entre outras coisas, uma gastronomia regional riquíssima baseada em produtos animais e ervas aromáticas autóctones.

A herdade da Galeana abre as suas portas ao que se chama turismo taurino. Pela beleza da sua paisagem natural e o enquadramento do toiro bravo no seu habitat natural, apresenta umas condições únicas para este efeito.

Grupos de visitantes são transportados em reboques preparados e com total segurança, para visitar a ganadaria.

Além de lotes de vacas com os sementais, podem ver-se os toiros de muito perto, constituindo um espectáculo emocionante.

O programa consta basicamente de:

•Aperitivo de boas vindas 10:30 h (breve explicação de onde se está, o que se faz e como se faz);

•Início do passeio à herdade e observação dos toiros 11:00 h

•Almoço típico num antigo celeiro 14:00 h

•Fim da visita 17:00 h

Em época de tentaderos, podem os mesmos constar do programa.

 

* Fotos e Texto: www.murteiragrave.com.pt

Monte de GaleanaFerroPôr do Sol na Galeana Campo Bravo

Estas chaminés cilíndricas, vestígios que mantêm viva a passagem da cultura Árabe por este local, sobressaem nos telhados de algumas casas. Nesse tempo, o tamanho das mesmas representava o estatuto social do seu proprietário.

Ao longo dos tempos muitas foram sendo demolidas, perdendo-se, assim, um pouco do legado histórico da Freguesia.

A data exacta da edificação desta ermida é uma incógnita, apesar de ser do conhecimento geral que em 1596 esta já existia, dado que nesse ano era seu ermitão André Luís.

Construída de alvenaria em pobre traça arquitectónica foi, em 1789, alvo de uma profunda remodelação. Esta obra, realizada com o total consentimento do Arcebispo D. Frei Joaquim Xavier Botelho de Lima, deu á capela a sua actual configuração.